quarta-feira, 1 de julho de 2009

Um amigo, e a sua ajuda...

A soneca tremeu... acordo com o bater manso de algumas folhas, que se precipitam sobre mim; limpei a remela dos olhos... o vento agita o sobreiro, que geme de dor á velhice. As nuvens carregam-se de cinza, ... chuva desata a vergastar tudo e todos. A capa mal me abriga, e os galhos tentam resguardar sem resultado...
Ao longe um casebre, que me surge do nada, assinalado com um pequeno fumar da lareira, ...
Respiro um folgo; embalo-me; corro pela vida de lama, por cima de pedras, problemas e obstáculos, ...
Ouço um silvo, entre os pingos fortes e cheios que me lavam o rosto; paro, viro, concentro-me e ... um caminhante corre na minha direcção: "Abriga-te! ...que a lareira aguarda-nos!"
A porta abre-se guinxando á recepção... ao lado a fogueira que crepita: "Seca a vestimenta; aquece o corpo com esta sopa, e ..." adormeço ...

Sem comentários: