terça-feira, 29 de junho de 2010

Os amigos que entendem ...

Combinamos encontrar-nos às 22:30, à porta ... uma noite clara, morna para fresca, uma lua cheia calma, e uma mão cheia de estrelas, ...
"Olá! Companheiros! Vamos entrar?" disse encaminhando-nos para a entrada ... saiu do automóvel, e cumprimentou-nos um a um, ... o abraço prolongou-se como quem quer despejar uma eterna tristeza e mágoa, ... como quem não aguenta mais, ... abracei-o, recebendo a sua preocupação, ... "Subam! Vamos beber algo!"... e a data é merecedora, apesar de tudo...
Pôs-nos a par de tudo, ... e cada um de nós percebeu a gravidade, ... mas no entanto, cada um deu a sua força, apoio, encosto de ombro, ... as mensagens continuavam a chover, ... intercalava as suas dúvidas, com o chat, sms, email, contando os apoios e positivismo que jorrava, ...
Senti de um pai para outro, ... a emoção inundou-me o olhar; eu sei que sou lamechas, coração de manteiga, ... mas ver um amigo preocupado com a filhota, que aguarda por sorrisos na sua camita do pediátrico, ... sim sou um emotivo, ... o meu amigo chora, ... e nós tentamos concentrar toda a energia do mundo, para um possível salto espaço-temporal, onde todo este tormento já tenha terminado, ...
... eu continuo a sorrir, com a lágrima ao cantinho, mas é preciso animar ... por isso sorrio, ... é o que é preciso agora ...

2 comentários:

b disse...

Nem precisa ser amigo do seu amigo para entender.
Tudo suportamos, damos meia volta, mas um filho ou filha doente, é arrebatador.
Desejo que Raphael o Arcanjo da Medicina dê aos médicos intuição para os cuidados com a menina.
O que resta aos pais é a paciência a enfrentar este muro de pedras irreconhecíveis e assustadoras.
Esteja bem.

mixtu disse...

fuerza...
a dor...
um filho--.
soprando um vento quente da serra... para a filhota do amigo

uuuuuuuuuuuuuu


abrazo serrano