terça-feira, 15 de junho de 2010

A namorada do filhote

O som do telemóvel, tocou a sua melodia, ... "You´ve got the love"...
"È a amiga ...!" disse a filhota que o trazia, passando-me a responsabilidade ...
"Olá!" cumprimentei de hábito sorrindo, ... mas a reacção não foi a mesma ... do outro lado suou a silêncio, e não a carismática alegria de sempre ...
"Olá! ... Olha, ... tenho uma notícia ... um tanto ou quanto, ... difícil e triste!" disse-me quase ouvindo os seus olhos cristalinos e humedecidos...
"Então amiga! Que me contas?" ... e o silêncio voltou, sentindo que havia um ginasticar de palavras mais apropriadas, para me comunicar algo que não ferisse ou chocasse ...
"É a filhota do Animal! Está doentita!" disse-me, ponderando a gravidade da continuidade da conversação...
"Não entendo! O que tem ela?" impacientemente estagnado junto á mesa da cozinha, olhando fixamente para a esposa ...
"O Animal ainda não sabe! Andam numa lufa-lufa, daqui para ali, ... por causa duma maleita que surgiu á filhota!" contou-me pausadamente entorpecida pela tristeza ...
... desmoronei... os olhos carregaram toda a tisteza, ... escondi o meu olhar á esposa, com a palma da mão, ... segurei a queda de todas as suas alegrias, ... e coloquei o questionar do como é possível isto acontecer?,  á voz da amiga que continuava a explicar-me o sucedido, ... passei o telemóvel á esposa, ... não aguentei, ...
(...)
Acobardei-me, ... não consigo dizer, nem soletrar sequer, numa mensagem de apoio ao Animal e esposa, ... vemo-nos quando conseguimos consiliar as nossas vidas pessoais e profissionais, ... mas estamos sempre que cada um necessita, ... é literalmente mais um irmão e irmã, ... os filhotes convivem todos, sentido o seu peso como segunda geração, ... um pequeno grupo que se mantêm unido desde a escola, ... já lá vai quase duas décadas, ... uma autêntica família.
Por convívio e pelo á vontade, casamos os filhos, ...
A minha futura nora ... simples e simpática, conversadora e carinhosa, ...
"Animal! Estou enrrascado! O Que achas?" ... ele, instruído, calmo, e dizer na cara o que é, ... ajuda sempre, ... seja meio-dia, seja dia e meio de lavoura ... a esposa segue-lhe os passos...
...  ainda estou triste, ... a namorada do meu filhote, não está bem, ...
(...)
Desculpem amigos, ... não consigo ajudar... só falar, ... espero que passe tudo ao lado, por confortar, e acreditar que o sorriso está ali... nós temo-lo connosco, e continua a sorrir...
Retiro um exemplo deles, ... de rastos, sem palavras, triste ... mas mantenho o sorriso

1 comentário:

Barbara disse...

Pois mantenha.
Há , digo, deve haver muito o que manter em ti por aí.
Boa sorte.