terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dedões tesoura de poda

Adquiri um daqueles telefones, ditos inteligentes. O caso pareceu-me de fácil assimilar, sem muito stress, para a adaptação. Carregado de funcionalidades, gadgets e widgets... coloquei-me ao nível da raça superior dos maiores cérebros informáticos... imaginei por breves instantes. Comecei por tentar vasculhar, com um dedo, mas a tarefa árdua levou-me a pensar tentar, literalmente, um vasculho, surfar por páginas, por funcionalidades, sem pés nem cabeça. Coisas que eu, o mais comum dos mortais, não irei, como dizer, um dia vir a activar. Sorri, contudo, ao ver que os programadores não se tinham esquecido de algumas pessoas, que até gostam de dedilhar um ou dois quarteirões de palavras. O meu problema é mesmo o digitar... os dedos não estão moldados para micro teclas. Penso que já percorri, toda a gíria e calão de asneiredo lusitano, gálico, germânico. Pragas lançadas aos sete ventos, que carregam aqueles estafermos de olhos em bico, que só se lembram dos seus minusculos dedos, tipo "Eduardo mãos de tesoura". Arghhh... que maldição.
Não! Não atirei este tijolo a ninguém, enquanto redigi este texto.

2 comentários:

Briseis disse...

Até dedos de Ogre à Shrek podem ser amestrados para coisas delicadas... é uma questão de hábito! Perseverança, caro amigo!!

Ditonysius disse...

Briseis: Também julgo que sim! Até já adquiri mais um pacote de paciência...