quarta-feira, 20 de junho de 2012

Etapas...

Tudo se faz e desenrola,... com calma ou sem a paciência para a ter... tenho visto! A tramitação normal do 2 mais 2 serem quatro, é de sabedoria popular, a não ser que Einstein interfira! As fases e etapas vão surgindo... mas esta deixou-me... boquiaberto. 
"Pai! Quero andar de bicicleta!" pediu-me o grandão, ... consenti, mas impus uma condição: "Já é altura de retirar as rodas de apoio, não achas?" acenou meticuloso. 
De chaves em punho, observou-me a remover a separação do potencial elo de segurança. 
Subiu ao selim incrédulo, ... "Ajudas pai?" 
Agarrei firmemente o selim e o volante, passando o ensinamento essencial de algumas normas de bem pedalar. Ouviu, mas a impaciência já emanava pelo ar: "Empurra!"
"Pedala, e olhar em frente, sempre! As rodas não caem!"
O grandão assentiu, mas receoso parou ... uma, duas, oito vezes, ...  "uma causa perdida, agora!" pensei retirando-me ... "Amanhã, voltamos a tentar!" ... 
"Eu fico, pai!" 
Recolhi-me a casa, que o anoitecer já se tecia no horizonte...
... 
O prenúncio da noite, já se sentia, e o luz que fusque impunha-se... lancei um olhar pela janela para procurar o grandão, que tardava em recolher-se ao ninho.
Um vulto remexia-se de um lado para o outro, ... mas será que... ?
Sim! Era o grandão, que encetava força e genica em cima da pequena bicicleta, determinantemente de um lado para o outro, sem qualquer ajuda, equilibrando-se "qual acrobata sobre a corda bamba"...
Língua de fora, capacete laço, semi curvado sobre o volante, e pernas pingadas de surro e exaustão. Viu-nos de cara arregalada, ... uma benesse. Enviou-nos um sorriso de tudo dito!
"Foi fácil, pai! Viste..."





4 comentários:

El Matador disse...

agora nunca mais se esquece.

Briseis disse...

E que linda lição, para ele, ter sido capaz sozinho, pelo esforço e perseverança! =)

mixtu disse...

jajaja
tu só estavas a atrapalhar
e agora é pedalar para ir buscar, por exemplo, leitão ao Pinto
jajaja

abrazo serrano

Nilson Barcelli disse...

Mas para aprender bem é preciso dar uns tombos...
Eu quase que parti um esteio da vinha... se a cabeça não tivesse passado ao lado, não sei o que seria. Naquela altura ninguém pensava em capacetes...
Um abraço, caro amigo.